LuaMarte: Cada um é uma canção

No cenário musical independente, manter-se na ativa muitas vezes acaba sendo um trabalho árduo. Em alguns casos é preciso abrir mão de muitas coisas para focar em apenas uma: Viver da música. Nesse garimpo cultural atrás de novos artistas do cenário underground encontramos a LuaMarte, Banda de Vitória de Santo Antão (PE) que não mede esforços quando o assunto é levar sua música o mais longe possível.  Conversamos com Joyce Alane e Afonso Maciel (vocalistas da banda) para saber um pouco mais sobre como está sendo a produção do primeiro EP da banda. A matéria você confere logo abaixo!

Como surgiu a banda?

É difícil dizer em que momento exatamente a Luamarte surgiu. Na verdade, muitas coisas foram acontecendo ao mesmo tempo e, de repente, nos demos conta que ela já havia nascido. Não houve uma espécie de “Big Bang”, nesse caso. Nos tornamos amigos há mais ou menos um ano atrás, quando também descobrimos os talentos um do outro, e nos admiramos a ponto de decidirmos trabalharmos juntos e começarmos uma carreira na música.

Fizemos parte de um outro projeto autoral até o final de 2017, chegando a ser finalistas do “Som na Arena” e a única representante do nordeste a tocar na ExpoMusic do mesmo ano, em São Paulo. Mesmo com o fim desse projeto, escolhemos continuar na música, com um projeto novo, com um conceito ainda mais parecido com o que somos.

Quem é responsável por compor as músicas?

Nós dois somos compositores, então acho que ninguém fica realmente com uma responsabilidade de compor, esse processo ocorre de maneira bastante natural e até preferimos que seja assim. Respeitamos muito o nosso tempo e o tempo do outro de compor. Acreditamos que dessa maneira a música se torna mais sincera, mais verdadeira, mais fiel ao que estamos sentindo. Então, vez ou outra, chegamos um para o outro com uma música pronta, uma letra, ou até um trecho de uma possível música, e juntos fazemos uma espécie de triagem da nossa própria criação. Somos bem criteriosos em relação a isso, chegando inclusive a reprovar algumas dessas canções, que nem chegam até o público.

Quais são suas influências? 

É sempre difícil dizer quais são as nossas influências quanto banda, porque entre elas estão as nossas influências individuais, que compõem bastante do que somos e oferecemos à Luamarte, e as influências do projeto em si e para a sua sonoridade final. Acaba que, nessa sopa de artistas, temos diversos segmentos da música, como por exemplo: Humberto Gessinger, Dorgival Dantas, Marcelo Jeneci, Ivete Sangalo, John Mayer, Elis Regina e Bob Dylan que são alguns dos grandes artistas que podemos citar.

No final, percebemos que há traços dessas influências na nossa maneira de compor, de interpretar ou de fazer melodias e arranjos. E, mesmo com influências tão distintas umas das outras, surge também um conceito bem definido que nos identifica como parte desse movimento da Nova MPB em ascensão no país com outros grandes artistas da nossa geração que, inevitavelmente, também se influenciam entre si.

Canção com o teu nome é o primeiro clipe postado no canal do youtube. Por que esta faixa foi escolhida? Algum significado especial?

Isso, postamos em março uma em uma espécie de “Live Session”, uma versão acústica de “Canção com teu nome” no nosso canal do Youtube. Já fazia parte do nosso plano de lançamentos. Ainda estávamos testando com o público as músicas que nós achávamos serem as mais fortes para um primeiro lançamento (EP). No ano passado, já havíamos feito o teste da música “Por Um Triz”, com um webclip também no Youtube, que teve uma resposta muito boa, com 10 mil visualizações, e em março foi a vez de Canção com teu nome que também teve uma resposta tão boa quanto, chegando ao mesmo número num tempo ainda menor.

Além das visualizações e dos “likes”, os comentários também foram bastante positivos, o que já dá uma noção de que essas músicas bem gravadas podem surtir um efeito legal no público. No final a gente percebe que, na verdade, o motivo especial para a escolha dessa música e para todas as outras, é oferecer ao nosso público o que ele mesmo mostra que se identifica e gosta. É aquela coisa de produzir para o público e não para si mesmo.

Sabemos que vocês estão terminando de produzir um EP. Quais são as expectativas e como está todo o processo de pré produção?

As expectativas são as melhores, demos o nosso melhor para que esse EP ficasse incrível, com um conceito forte e que conseguisse traduzir o que somos. O processo de pré-produção foi bem longo, caprichamos bastante na construção da ideia e do que queríamos. Em seguida, veio o processo de captação na Casona, com músicos extraordinários, podendo aperfeiçoar ainda mais os arranjos que tínhamos planejado e dar vida a uma sonoridade ainda mais fiel ao que as músicas querem dizer.

O nosso primeiro single, “Por Um Triz”, com data de lançamento marcada para o dia 27 de julho já está em São Paulo, no WSTF Estúdios, sob a responsabilidade de William Santos e Jeff Pinas, para concluir a captação do violão e a mixagem, para que essa música finalmente chegue às plataformas digitais.

Junto com o EP podemos aguardar algum videoclipe?

Com certeza podemos, ainda mais se tratando de nó: dois apaixonados por cinema. Estamos muito ansiosos para trazer para a nossa música o universo do audiovisual, e poder mexer com as pessoas, provocar emoções através do som e da imagem juntos. Inclusive, já demos início ao processo de pré-produção do videoclipe do single “Por Um Triz”, será dirigido por nós mesmos, com um roteiro feito em parceria com Pedro Malta e filmagens da IF films. A previsão do lançamento desse material é para o início desse segundo semestre

Onde está sendo produzido o EP? Contará com participações de outros artistas?

Toda parte de captação do EP foi feita na Casona Estúdio, em Candeias. Uma galera que nos recebeu de braços abertos se esforçou bastante junto conosco para trazer para esse EP à maior qualidade possível, formando uma equipe de músicos muito talentosos para colocar em prática o que estávamos pensando para esse nosso primeiro trabalho oficial. Tivemos participações de Diego Drão, no teclado, Lucas Araújo na bateria, Thiago Brandão, com violão e guitarra, Marcelinho Santos no acordeon e o grande Bráulio Araújo no contra-baixo.

O primeiro single do EP, “Por Um Triz”, foi mixado e masterizado em São Paulo, no WSTF Estúdios, com William Santos (produtor musical e acordeonista que gravou vários sucessos e dvds de artistas como Jorge e Mateus, Chitãozinho e Xororó, Fernando e Sorocaba e Michel Teló)e Jeff Pina (violonista do duo Anavitória e produtor musical de boa parte dessa galera que compõe a cena da Nova MPB, tendo produzido diversos trabalhos deles como por exemplo, do cantor e compositor, Tiago Iorc). Vale ressaltar que Jeff também deixará sua marca no nosso single tocando violão folk. Também contamos com a participação da queridíssima Bella Schneider, em duas das quatro músicas que estarão nas principais plataformas digitais em breve.

 Sabemos que no cenário independente existem inúmeras dificuldades. Durante a trajetória da banda houveram esses momentos difíceis? Para vocês, qual é a principal motivação para continuar acreditando no trabalho?

Ser um artista independente em si já é muito difícil porque, partindo do pressuposto de que para um artista fazer sucesso depende de vários fatores, um artista independente precisa procurar preencher todas as lacunas possíveis, pensar e trabalhar em cima de todos esses fatores para tentar fazer sucesso. Uma gravadora, por exemplo, tem vários departamentos, com vários funcionários tratando de vários aspectos diferentes dos seus artistas para fazer cada um deles “fazer sucesso”. Quando você pensa que um artista independente tem que realizar ele mesmo todas essas tarefas, ser empresário, produtor, assessor de imprensa, divulgador, agente, marketeiro, design digital, design de moda, secretário, motorista, músico, investidor e outras coisas mais é um pouco assustador.

Então, são muitos os momentos difíceis, de decepção, angústia, muitas portas fechadas, pouca oportunidade. Mas sabíamos que seria difícil assim, e fazemos tudo isso por amor. Quando lutamos por algo, se não houver uma base sólida no significado disso, logo fraquejamos. Todos nós precisamos descobrir qual o nosso propósito, qual o nosso legado na vida, na música, se agarrar a isso e continuar. Se a sua música toca alguém, se ela em algum momento tocou alguém, fez ela repensar algo, se emocionar, continue e é isso que fazemos. Pelas pessoas e para as pessoas, é isso que dá significado a nossa luta.

O lançamento do primeiro single “Por um triz” está previsto para o dia 27/07/2018, e será disponibilizado em todas as plataformas digitais. Além disso, os artistas já iniciaram o processo de pré-produção do Videoclipe do single.O trabalho será dirigido pela própria banda. A filmagem será por conta da IF Films e contará com um roteiro feito em parceria com o ator Pedro Malta. A previsão de lançamento do clipe e para o início desse segundo semestre. enquanto isso, você pode acompanhar todos os detalhes e novidades sobre o lançamento no perfil do IGTV da LuaMarte.

Siga a LuaMarte nas redes sociais:
Facebook
Instagram
twitter

Deixe seu comentário

Um comentário em “LuaMarte: Cada um é uma canção

Fechado para comentários.