Mulamba: “Vila Vintém” Gravado na Ocupação 29 de Março, em Curitiba (PR)

Canção fala sobre a opressão do Estado e clipe retrata a realidade de quem vive nas comunidades periféricas

São Paulo, setembro de 2019 – O direito constitucional à moradia é negado há décadas, derrubando casas e expulsando pessoas de suas terras, dilacerando sonhos e marcando vidas. Embebido em sua fé e à sombra de uma sociedade cega, Elidieu e sua familia haitiana, personagens da vida real, moradores da Ocupação 29 de Março, em Curitiba, estão entre esses que carregam honestas qualidades e sonham em reconstruir seu teto com as próprias mãos após a comunidade pegar fogo, no fim do ano passado. Essa é a sinopse de “Vila Vintém”, o novo clipe da Mulamba.

“Durante a gravação, as pessoas da comunidade quiseram ajudar, os grafites foram feitos pelos artistas de lá, existe uma verdade no clipe, que não é nosso lugar de fala, mas a gente quer dar esse espaço”, explica Caro Pisco, baterista da banda. “Da nossa forma mais humilde, gostaríamos de chamar atenção não só para a 29 de Março como para todas as outras comunidades periféricas que precisam que alguém olhe por eles, para que haja respeito por parte do Estado e para que haja preocupação com a infra-estrutura local. Tudo isso é para fortalecer o rolê deles”.

A canção, de autoria de Cacau de Sá, fala sobre a violência do Estado contra a população periférica. “Eu comecei essa letra no Rio de Janeiro, onde tive contato direto com as ocupações, com a violência da polícia e com as ações do governo. Um dia, a polícia foi na Vila Vintém, que é lida como um lugar com muitos traficantes, com a ideia do governo para desocupar a favela. Então essa música nasce como um grito de resistência e desespero, pela visão de quem vive em um lugar e é retirado”.

Vila Vintém, favela situada no Rio de Janeiro, carrega nesse filme as milhares de favelas e os milhões de Elidieus que lutam por moradia nesse país a fora.

Foto: Luciana Petrelli. ​